Diálogo, cooperação e inovação em sustentabilidade: oficina reúne grandes empresas e pequenos fornecedores

Terceira oficina do Ciclo 2012 debate inovação e sustentabilidade no relacionamento entre grandes empresas e MPEs com práticas inovadoras de sustentabilidade em cadeias de valor 03/09/2012
COMPARTILHE

Bruno Toledo

O consumo pode ser um indutor importante da sustentabilidade dentro das operações e da gestão das empresas. No caso das cadeias de valor de grandes empresas, o consumo corporativo pode servir como uma força para promover produtos, práticas e estratégias de gestão alinhadas à sustentabilidade junto de seus fornecedores, em especial os de menor porte (micro e pequenas empresas, MPEs). No entanto, esta relação não deve ser impositiva, nem para o lado do fornecedor e nem para o do comprador – é necessária a construção de uma relação positiva, de entendimento e cooperação entre os diferentes atores ao longo da cadeia de valor. No caso do relacionamento entre pequenos e médios fornecedores e grandes empresas consumidoras, isso significa que a sustentabilidade pode ser um tema de engajamento entre estes agentes em torno de uma lógica que troque o “ganha-perde” que caracteriza tradicionalmente esta interação pelo “ganha-ganha”.

O Projeto Inovação e Sustentabilidade na Cadeia de Valor (ISCV) procura dar subsídios para a construção desse relacionamento positivo entre grandes empresas e os fornecedores de sua cadeia de valor. “Queremos aproximar as grandes empresas de seus fornecedores de menor porte e fomentar negócios entre eles, resultando em benefícios mútuos”, defende Paulo Branco, coordenador do Projeto e do Programa Inovação na Criação de Valor (ICV) do GVces. “Para as pequenas empresas, queremos torná-las mais robustas, com gestão e operação mais sólidas, e para as grandes, queremos que elas mitiguem seus riscos e que encontrem parceiros em inovação e sustentabilidade”.

O Projeto Inovação e Sustentabilidade na Cadeia de Valor (ISCV) procura dar subsídios para a construção desse relacionamento positivo entre grandes empresas e os fornecedores de sua cadeia de valor. “Queremos aproximar as grandes empresas de seus fornecedores de menor porte e fomentar negócios entre eles, resultando em benefícios mútuos”, defende Paulo Branco, coordenador do Projeto e do Programa Inovação na Criação de Valor (ICV) do GVces. “Para as pequenas empresas, queremos torná-las mais robustas, com gestão e operação mais sólidas, e para as grandes, queremos que elas mitiguem seus riscos e que encontrem parceiros em inovação e sustentabilidade”. Novamente, a colheita gráfica da oficina ficou por conta da equipe da Atrium Consultoria.

Casos de inovação e sustentabilidade de PMEs e diálogo com as grandes empresas

Entre os meses de março e junho deste ano, a equipe do Projeto recebeu indicações de casos de inovação e sustentabilidade promovidos por pequenas e médias empresas na cadeia de valor de grandes empresas. Nesta primeira fase, 24 empresas submeteram práticas para a seleção de casos do Projeto, sendo que 11 foram escolhidas para receber visitas técnicas da equipe do Projeto e para participar do processo seletivo final. No começo de agosto, com as informações colhidas in loco pela equipe e com a ajuda do prof. Wilson Nobre (FGV-EAESP) – que participou da segunda oficina do Ciclo 2012 – o Projeto selecionou seis práticas de inovação e sustentabilidade de MPEs na cadeia de valor de grandes empresas.

Os casos selecionados pela equipe foram os da Atina (rastreabilidade e formalização da cadeia produtiva de bisabolol de candeia), da Brasil Ozônio (geração de ozônio em alta concentração a partir do ar ambiente para limpeza), da Estação Resgate (reciclagem de resíduos da construção civil), da Nord (sistema de gestão para inserção de sustentabilidade nas soluções, estratégias e metas de empresas), da RL Higiene (produtos de limpeza com matéria-prima vegetal de origem certificada), e da Trampoo (descontaminação de lâmpadas fluorescentes).

Eles se juntam aos três casos apresentados no lançamento do Projeto, em dezembro de 2011: a Ouro Verde (beneficiamento de castanha do Brasil e fortalecimento de sua cadeia produtiva), a Pack Less (produção de pallets de plástico flexível), e a Terpenoil (tecnologia orgânica para limpeza com base nos terpenos da laranja) - esta última destacada na primeira oficina do Ciclo 2012.

Os nove casos destacados pelo Projeto serviram como referencial para que representantes de grandes empresas e de MPEs fornecedoras debatessem conjuntamente o relacionamento entre os atores ao longo da cadeia de valor, uma discussão essencial dentro da proposta de promoção de inovação e sustentabilidade pela cadeia. Divididos em grupos, os participantes refletiram sobre o que facilitava e dificultava a relação entre grandes empresas e MPEs fornecedoras e a inovação em sustentabilidade protagonizada por MPEs na cadeia de valor de grandes empresas, e puderam apontar possíveis caminhos e soluções para os desafios da relação empresa-fornecedor e para a promoção de práticas de inovação e sustentabilidade dentro do processo produtivo.

Próximos passos

Todos os casos selecionados pelo Projeto serão detalhados numa publicação especial que está sendo desenvolvida e que será lançada durante o Fórum de Inovação e Sustentabilidade, no próximo dia 16 de outubro na FGV-SP. O Fórum também contará com um espaço de interação para que as MPEs selecionadas possam apresentar suas práticas de inovação e sustentabilidade ao público. Para Paulo Branco, o evento “será uma porta de entrada, um espaço inovador, onde as pequenas empresas não mostrarão simplesmente um banner e alguns produtos, mas sim uma vivência, uma experiência real”. Para as grandes empresas, o fórum será uma oportunidade de conhecer um pouco mais do que está sendo desenvolvido em termos de inovação em sustentabilidade no plano das MPEs. “A participação das grandes empresas é importante nesse contexto, pois são elas que darão visibilidade para o que as pequenas empresas estão desenvolvendo”, completou Branco.