Avaliação de Ciclo de Vida é destaque no 3º GT de gestão de fornecedores

Além de conhecer casos de aplicação da ferramenta de ACV, representantes das empresas membros de ISCV também foram apresentados à versão final do protocolo para elaboração de matriz de risco, principal objetivo do grupo de trabalho para o ciclo 2015 05/11/2015
COMPARTILHE

Local: FGV-EAESP
Data: 22 de outubro de 2015 Projeto: Projeto Inovação e Sustentabilidade na Cadeia de Valor (ISCV) Participantes: Representantes das empresas membros de ISCV e convidados Apresentação: Beatriz Kiss, Ligia Ramos, Luciana Betiol, Maurício Jerozolimski e Ricardo Dinato (GVces); Cristina Fedato (consultora ISCV),
e Thales Crivelli (Samarco)
Texto: Bruno Toledo (GVces)  

VERSÃO FINAL DO PROTOCOLO PARA MATRIZ DE RISCO

Depois de meses de trabalho, as empresas membros do grupo de trabalho sobre gestão de fornecedores do projeto Inovação e Sustentabilidade na Cadeia de Valor (ISCV) conheceram no último dia 22 a versão final do Protocolo para Matriz de Risco, um dos produtos previstos para este ciclo 2015. No 3º encontro do GT, realizado na FGV-SP, a equipe do GVces apresentou os principais pontos desse documento, que pretende servir como referência para empresas na integração da sustentabilidade na gestão de risco em suas cadeias de suprimentos. O protocolo traz orientações para desenvolvimento e implantação de uma ferramenta que auxilie esse processo em diferentes tipos de empresa.

“Nossa ideia é que este protocolo seja um documento público, que deve ser autoexplicativo para as empresas que não participaram do seu processo de construção e mesmo aquelas que não participam de ISCV”, explica Cristina Fedato, consultora do projeto ISCV. Espera-se que, a partir desse documento, as empresas possam construir uma matriz de risco para avaliar suas diferentes categorias de fornecimento em matéria de sustentabilidade.

O documento será validado pelas empresas membros do GT, sendo que algumas deverão conduzir exercícios de aplicação do protocolo, para ser publicado formalmente por ISCV no começo de 2016.

Luciana Betiol (centro) e Beatriz Kiss, do GVces, durante o 3º encontro do GT de Gestão de Fornecedores do projeto ISCV

ESPAÇO TENDÊNCIAS: AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA (ACV)

A ferramenta de avaliação de ciclo de vida (ACV) nos permite conhecer melhor nosso produto e entender até que ponto podemos trabalhar para reduzir seus impactos ambientais. - Ricardo Dinato, pesquisador da iniciativa Ciclo de Vida Aplicado (CiViA) do GVces

No 3º encontro do GT, a equipe do GVces também trouxe duas experiências sobre aplicação de avaliação de ciclo de vida (ACV), ferramenta estratégica para uma gestão de fornecedores pautada pela sustentabilidade.

A ACV permite qualificar o desempenho ambiental de um produto ao longo de seu ciclo de vida, quantificando os impactos ambientais associados a todas as etapas e processos dentro da empresa e ao longo da cadeia de um produto (bem ou serviço). Para a gestão empresarial, a ACV pode ser bastante útil tanto para o gerenciamento dos impactos de seus próprios produtos como também para administrar o desempenho de fornecedores e consumidores, além de diferenciar produtos e serviços em um mercado cada vez mais competitivo.

O espaço tendências foi aberto com uma apresentação da iniciativa empresarial do GVces Ciclo de Vida Aplicado (CiViA), inaugurada neste ano com o intuito de apoiar a incorporação do pensamento de ciclo de vida na gestão empresarial. A CiViA tem por objetivo disseminar conceitos e aplicação no mapeamento e análise de externalidades ambientais, além de fomentar a quantificação e a gestão dos impactos ambientais dos produtos e serviços por meio da abordagem de ciclo de vida. Neste primeiro ciclo de atividades, o foco da CiViA foi em mudanças climáticas, uma das categorias de impacto ambiental avaliadas pela ACV. Por meio da capacitação em métodos, os membros da CiViA estão avançando no cálculo da pegada de carbono de produtos selecionados, apoiados por uma ferramenta de cálculo desenvolvida em conjunto entre equipe e membros da iniciativa.

Seguiu-se à apresentação da CiViA a experiência da Samarco, empresa mineradora brasileira especializada na exploração de minério de ferro. Com o objetivo de implementar uma gestão empresarial alinhada com a ecoeficiência e transparente para com seus stakeholders, a equipe da Samarco conduziu diferentes estudos de ACV sobre o processo produtivo do minério de ferro, desde sua mineração até sua entrega no porto para exportação. A partir de uma parceria com a Fundação Espaço ECO, a empresa conseguiu desenvolver uma metodologia própria para mensurar impacto em algumas categorias relevantes para a empresa e seus stakeholders, de forma a fornecer informações úteis para o processo decisório e para a comunicação com diferentes públicos e mercados.

No período da tarde, as empresas realizaram diversas atividades para dar início ao desenvolvimento dos protocolos que serão trabalhados em 2016: materialidade na cadeia de suprimentos e desenvolvimento de fornecedores locais. 

Antes de fazer a ACV, é importante que você tenha em mente duas questões: o quê e para que você está fazendo isso. É muito importante ter respostas bem definidas para essas questões para que o estudo seja bem direcionado e para que ele tenha real utilidade para sua organização. - Thales Crivelli, engenheiro de ecoeficiência da Samarco

Clique aqui e confira as atividades conduzidas pelo projeto ISCV no ciclo 2015.